Dicas

7 benefícios da análise ergonômica do trabalho para as empresas!

dezembro 10, 2018
Analise ergonomica
Tempo de leitura 6 min
Powered by Rock Convert

A legislação trabalhista vigente impõe a elaboração da análise ergonômica do trabalho (AET) a companhias cujos colaboradores realizem serviços manuais, físicos ou que sobrecarreguem a musculatura (com esforço nos braços, mãos, ombros, coluna e pescoço) e que resultam em movimentações repetitivas.

A AET nada mais é do que o estudo do objeto e do local de trabalho, ou seja, uma avaliação completa para evitar os riscos referentes às posturas adotadas durante a atividade, bem como à falta de iluminação, à temperatura insalubre, à ventilação insuficiente ou a utensílios com tamanhos inapropriados. Em suma, tudo o que está atrelado ao equilíbrio emocional e físico das pessoas.

Na realidade, essa recomendação está prescrita na Norma Regulamentadora 17 (NR17), que também é chamada de “norma da ergonomia”. No entanto, é preciso considerar que fazer esse levantamento não se trata de um simples cumprimento da lei, e sim de um cuidado legítimo com a saúde, segurança e qualidade de vida do colaborador — e que também traz retornos positivos para a empresa.

Por intermédio da análise ergonômica do trabalho, fica mais fácil mapear os riscos ergonômicos, assim como estabelecer ações para diminuí-los ou, até mesmo, eliminá-los. O resultado desse empenho retorna para os negócios na condição de benefícios palpáveis, como melhoria do clima organizacional e aumento da lucratividade.

Continue lendo este post para conhecer as demais vantagens da AET para as empresas.

1. Ajuda a estar de acordo com a lei

Qualquer empreendedor que tenha, no mínimo, um profissional contratado deve fazer a análise ergonômica do trabalho, a fim de seguir todas as recomendações necessárias para que o ambiente de trabalho esteja de acordo com a lei.

A NR17 traz informações importantíssimas com o intuito de orientar as organizações quanto a algumas situações, como descarga de materiais, mobiliário, equipamentos, transporte e condições ambientais. Assim, a norma tem como finalidade definir os parâmetros necessários para oferecer um espaço de trabalho aceitável.

Dar a importância devida a essa avaliação faz com que você ofereça um ambiente laboral apropriado para sua equipe. Em razão disso, a probabilidade de sofrer processos judiciais e trabalhistas torna-se bem menor.

2. Garante a valorização profissional

Ao desfrutarem de melhores condições de trabalho, os envolvidos se sentem mais à vontade para exercer as suas atividades de rotina, o que desperta uma sensação de reconhecimento.

Isso faz com que o time tenha o estímulo necessário e queira permanecer por mais tempo na empresa para crescer profissionalmente. Esse é um aspecto imprescindível para a inteligência emocional de cada pessoa, além de atribuir um nível de autoestima muito superior.

Ademais, existem instituições que complementam a ergonomia com a ginástica laboral, que traz diversos benefícios aos praticantes, como a eliminação de tensões musculares e nervosas. Lembrando que esse tipo de exercício físico deve ser instruído por um profissional capacitado (educador físico ou fisioterapeuta) e estar de acordo com o setor de trabalho de cada equipe.

Assim, a estratégia de endobranding — atribuição da marca (empresa) pelo público interno (colaboradores) — fica fixada na mente dos colaboradores, o que contribui para a retenção de talentos.

3. Diminui o absenteísmo e o afastamento

Considerar os mínimos detalhes de ergonomia e infraestrutura no ambiente laboral faz com que o absenteísmo diminua. Afinal, quando a saúde das pessoas é colocada em primeiro lugar, a possibilidade de acidentes reduz consideravelmente e, por consequência, impacta diretamente nos índices de atrasos e faltas.

Ainda, vale destacar que, quando um profissional fica afastado por problemas de saúde, os gastos para a empresa são grandes e isso pode prejudicar o orçamento direcionado a outros assuntos, tal como o pagamento de fornecedores. Sem contar que o não comparecimento do empregado pode gerar prejuízos intangíveis no tocante às capacidades indispensáveis para a execução de atividades específicas.

4. Evita doenças ocupacionais

Quando alguém exerce suas funções em condições precárias, certamente, sua qualidade de vida é prejudicada, o que acaba intensificando a importância da ergonomia para evitar quaisquer danos à saúde física, psicológica e cognitiva dos colaboradores.

Uma organização que oferece um mobiliário de má qualidade, pouca iluminação e um local sujeito a ruídos acima do recomendado aumenta as chances de surgirem doenças ocupacionais. O Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT) é um dos maiores perigos ao “esquecer” as normas de ergonomia.

Sendo assim, o projeto de layout organizacional deve considerar os pontos que concedem uma postura compatível com o cargo exercido. Dessa maneira, evita-se ao máximo que as instalações gerem aos colaboradores possíveis incômodos, como fadiga, dores musculares e estresse.

5. Melhora a produtividade

É bem provável que você já tenha notado que, se a companhia aplicar a análise ergonômica do trabalho, obviamente, a produtividade será aumentada. Em geral, uma simples otimização no ambiente pode elevar o engajamento da equipe.

Com um espaço laboral bem cuidado, a tendência é que ocorra uma redução de erros, já que os profissionais estarão mais focados e atentos às suas obrigações de rotina. Isso também favorece a criatividade e faz com que a geração de valor para o negócio seja algo proveitoso.

6. Dá mais credibilidade aos clientes

Vamos supor o seguinte cenário: você se depara com uma repartição administrativa em que as divisórias não oferecem isolamento acústico ideal, as cadeiras estão em péssimo estado e a iluminação provoca penumbras. Certamente, a primeira reação ao contemplar essa situação é de espanto, correto?

Zelar pela ergonomia também permite que a empresa proporcione uma imagem coerente e conquiste novos clientes. Ao ver que todos estão devidamente acomodados em seus postos de trabalho, a sensação gerada para o público é de organização e respeito.

7. Reduz os custos

Esse é o desejo de todo gestor. A análise ergonômica do trabalho oferece tantas vantagens ao empreendimento que podemos somá-las em apenas uma: mais lucros. Você obterá retornos mais positivos nos seus ganhos quando aumentar a produtividade e o engajamento dos colaboradores; desafogar os setores; evitar autuações e multas; diminuir as faltas e elevar a sua credibilidade perante o mercado.

Por fim, é importante citar o Laudo Ergonômico — que não tem nada a ver com o AET —, visto que somente é solicitado pelo juiz em ações trabalhistas para comprovar as condições em que o colaborador exercia suas funções. Portanto, esse documento não tem caráter obrigatório.

Com os benefícios mencionados acima, você provavelmente já deve estar convencido sobre a importância da análise ergonômica do trabalho. Portanto, não perca mais tempo e comece já a investir nesse estudo para melhorar as condições de trabalho da sua empresa e aprimorar seu nível competitivo.

Gostou deste conteúdo? Aproveite essa oportunidade e entre em contato conosco. Nós, da HLN Engenharia, temos um vasto catálogo de serviços e treinamentos embasados nas normas regulamentadoras trabalhistas. Venha conferir!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário